Atenção primária à saúde

Atenção primária à saúde: qual é o papel do departamento de RH?

1. Introdução

A atenção primária à saúde nas organizações não é assunto apenas para médicos, profissionais da saúde e segurança do trabalho e inspetores. De fato, a lei exige que o empregador garanta aos colaboradores a proteção do bem-estar e a segurança, mas é importante ir além do que a lei estabelece.

Com o passar dos anos, com as mudanças nos processos de gestão de pessoas e relacionamentos de trabalho, novas demandas têm surgido, principalmente no que se refere à saúde emocional dos trabalhadores. Os profissionais de recursos humanos precisam manter um olhar atento sobre as equipes para se antecipar à questões de saúde, mantendo um ambiente sempre saudável e propício a alta produtividade.

A seguir, apresentamos um guia completo sobre o papel dos profissionais de recursos humanos na promoção à saúde nas organizações. Continue a leitura!

2. Qual é o papel do RH na saúde dos funcionários?

O papel do gestor de recursos humanos é garantir que a segurança e bem-estar dos funcionários seja uma prioridade na empresa. Junto com os profissionais de SST, o RH deve trabalhar não só para que tudo esteja de acordo com as normas de saúde e segurança, mas para proporcionar um ambiente tranquilo e saudável que coopere para o melhor desempenho das equipes de trabalho e para o crescimento da empresa.

São responsabilidades do departamento de recursos humanos, entre outras coisas:

  • garantir que o colaborador passe pelos exames admissionais ao ser contratado e também exames periódicos e demissionais;
  • garantir que haja centralização e exatidão nas informações de saúde dos colaboradores;
  • garantir que o colaborador receba e use equipamento de proteção (EPI) de acordo com sua área de trabalho;
  • garantir que haja uma rápida detecção de colaboradores doentes;
  • garantir que haja supervisores treinados para lidar com casos críticos;
  • realizar programas de atenção primária à saúde;
  • garantir que haja uma clínica de primeiros socorros, no caso de grandes empresas e
  • treinar e orientar as equipes de trabalho para reconhecer e evitar riscos.

O departamento de RH e SST são a base para a preservação do bem-estar físico e mental do capital humano das organizações. Portanto, para que atinjam seus objetivos, devem ter um plano de saúde e segurança adequado, com objetivos de prevenção definidos, condições ideais de trabalho e a provisão de boas oportunidades para que os profissionais cuidem bem de sua saúde fora do ambiente da empresa.

Sendo assim, podemos pontuar algumas ações importantes a serem desenvolvidas por esses setores para aprimorar o bem-estar das equipes de trabalho.

  • promover workshops sobre saúde ocupacional, ensinado os colaboradores sobre a importância da saúde preventiva e uso dos equipamentos de proteção;
  • criar programas de promoção à saúde, como guias de alimentação saudável e atividades físicas no ambiente de trabalho;
  • criar um ambiente de trabalho que favoreça a boa saúde mental do trabalhador, eliminando fatores estressantes, valorizando a diversidade e procurando identificar e sanar conflitos rapidamente;
  • conscientizar sobre os fatores de risco de desenvolvimento de doenças crônicas como a diabetes.

3. Quais são os benefícios da saúde ocupacional para a empresa?

Ao investir em saúde ocupacional, a empresa obtém os benefícios mais variados, como redução da rotatividade, diminuição de licenças médicas e absenteísmo, trabalhadores mais motivados, aumento da produtividade e consequente a otimização de resultados.

Um ambiente de trabalho seguro e saudável, com boas condições de higiene e conforto, está intrinsecamente relacionado ao bem-estar e satisfação do trabalhador. Portanto, os gastos com saúde resultam em qualidade de vida e não devem ser vistos como uma despesa, mas como um investimento.

Promover a saúde ocupacional também é essencial para que a empresa tenha uma boa imagem no mercado e aumente sua competitividade. Isso porque quando os colaboradores contam com qualidade de vida no trabalho, eles se tornam defensores da marca empregadora da organização e de seus produtos.

Podemos dizer, então, que a atenção primária à saúde é a melhor estratégia de investimento da organização em seu capital humano. A iniciativa em promover as melhores condições de trabalho para seus talentos e um diferencial capaz de posicioná-la entre as empresas mais competitivas em seu ramo de atividade.

4. Quais são as principais doenças presentes no ambiente de trabalho?

Os programas de saúde preventiva são importantes para ajudar a manter o ambiente organizacional saudável. Existem algumas doenças que acometem os trabalhadores com mais frequência, principalmente por motivos econômicos ou de tensão. Vamos conhecer algumas delas?

Dor nas costas

As dores crônicas nas costas estão relacionadas ao mau design das instalações de trabalho, principalmente as cadeiras. É muito comum que elas tenham encosto inadequado, prejudicando a postura do trabalhador.

Além de cuidar para que a mobília seja ergonomicamente correta, é importante conscientizar os colaboradores sobre a importância de trabalhar na posição adequada e investir, por exemplo, em ginástica laboral para ajudar a reduzir a incidência de dores nas costas.

Problemas de visão

A sensação de ter areia nos olhos ou se eles ficam vermelhos e ardem, são sintomas de fadiga visual, uma alteração comum, causada ​​pela leitura constante de documentos e exposição a tela de computadores sem proteção visual ou mal posicionados em relação à iluminação.

É importante que os profissionais que trabalham com telas e leituras, de modo geral, tenham um ambiente com iluminação adequada e não se esqueçam dos cuidados preventivos com os olhos.

Síndrome de burnout

Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), a depressão poderá ser a maior causa de licenças por doença até 2020. Entre equipes administrativas, operadores de telemarketing e serviço público, a síndrome de burnout (exaustão profissional) aparece com bastante frequência. Ela foi incluída na lista de doenças da organização a partir de 2022.

Os sintomas incluem fadiga, tédio, frustração e, de modo geral, um grande desinteresse pelas atividades do trabalho e da vida pessoal. A tensão causada pelo acúmulo de tarefas, metas altas demais e conflitos nos ambiente de trabalho são causas comuns desse mal.

Para reduzir a incidência da da síndrome de burnout nas empresas, os cuidados com o clima organizacional é o fator mais importante. Oferecer ao colaborador oportunidades de desenvolvimento e crescimento, assim como maior participação nas decisões da empresa e um bom plano de carreira também é importante para evitar o desinteresse pelo trabalho.

Também é importante que o profissional saiba gerenciar bem o seu tempo, tanto no trabalho quanto nas rotinas pessoais. Grupos de apoio são interessantes para ajudar a prevenir e tratar a síndrome de burnout.

Obesidade

O aumento de peso representa uma situação crescente, principalmente devido a hábitos sedentários. É comum os profissionais passarem longas horas sentadas e se alimentarem mal, o que colabora muito para a obesidade.

É fundamental que os profissionais tenham tempo adequado para as refeições e acesso a restaurantes que oferecem opções saudáveis. Em empresas com muitos colaboradores, investir em um restaurante interno é uma forma eficiente de monitorar de perto a alimentação e incentivar hábitos saudáveis. A ginástica laboral também é uma boa forma de prevenir a obesidade.

Síndrome do túnel do carpo

A síndrome do túnel do carpo é causada por flexões repetidas do punho, o que causa perda de força nas mãos. O uso do computador por longas horas geralmente causa desconforto no pulso e cotovelo, o que a longo prazo pode provocar a L.E.R. (Lesão do Esforço Repetitivo), que causa a doença.

Os sintomas são formigamento e dormência, que com o tempo pode evoluir para a perda da força nas mãos, dificultando tarefas simples como segurar uma xícara. O cuidado com a ergonomia é a melhor forma de prevenir a síndrome do túnel do carpo.

5. Como promover a saúde dos trabalhadores?

A Portaria GM/MS n° 1.823/ 2012 Instituiu a Política Nacional de Saúde do Trabalhador em 23 de agosto de 2012. A PNST define princípios, diretrizes e estratégias a serem observados pelo Sistema Único de saúde em âmbito municipal, estadual e federal. O programa visa a promoção e proteção das saúde dos trabalhadores e a diminuição de acidentes e mortes decorrentes dos processos produtivos.

A portaria estabelece os requisitos mínimos e mudanças que devem ser feitas para garantir a segurança e saúde dos colaboradores. No entanto, empresários e gestores devem entender a importância da atenção primária à saúde e que a promoção da saúde ocupacional não pode ser limitada apenas a atender aos requisitos legais de saúde e segurança.

Os empregadores devem ajudar efetivamente seus colaboradores a cuidar de sua saúde e bem-estar geral, envolvendo-os no processo e levando em consideração suas necessidades e opiniões sobre as metodologias e o ambiente de trabalho.

Com base nesse objetivo, existem diferentes maneiras de promover a saúde dos trabalhadores, incluindo melhorias na organização e ferramentas para elevar a participação e a motivação das equipes.

Powered by Rock Convert

Para obter sucesso, os gestores devem considerar os seguintes aspectos da promoção da saúde ocupacional:

  • participação dos colaboradores no processo de melhoria da organização do trabalho, bem como o levantamento de suas necessidades para a melhoria do ambiente de trabalho;
  • medidas específicas que visam aumentar o bem-estar no trabalho, por exemplo, a introdução de um sistema flexível de horários ou a possibilidade de trabalho em home office;
  • conscientização sobre a importância de hábitos alimentares saudáveis ​​no trabalho, fornecendo informações sobre nutrição saudável e, por exemplo, disponibilizando espaço para que os trabalhadores possam preparar sua comida;
  • conscientização da equipe sobre os efeitos nocivos do tabaco e, quando possível, dar oportunidade para que participem de programas de apoio para deixarem o vício;
  • promoção da saúde psicológica, oferecendo treinamento aos líderes para que saibam como gerenciar o estresse e a tensão em sua equipe, além da oferta de serviços de apoio psicológico;
  • conscientização sobre a importância da atividade física, e concessão de condições e incentivos aos colaboradores para praticá-la e
  • monitoramento da saúde da força de trabalho por meio de exames médicos regulares.

6. Como criar programas que incentivem a saúde no trabalho?

A princípio, precisamos entender que, para que os programas de atenção primária a saúde e prevenção de doenças tenham a adesão e empenho dos trabalhadores, a liderança deve ser a primeira a aderir a eles e dar o exemplo para seus liderados. Líderes são espelhos e guias e, como tal, são importante para conduzir a equipe a uma vida mais saudável.

O estilo de vida saudável deve ser parte da cultura da empresa e todos devem participar do processo de criação dos programas de promoção à saúde. É muito importante envolver os colaboradores e ouvir suas idéias, já que são eles o alvo dos programa.

Veja algumas etapas indispensáveis para garantir que os programas de incentivo a saúde seja eficientes:

  • fazer um levantamento das necessidades e anseios dos colaboradores em relação a ter um estilo de vida mais saudável;
  • fazer uma boa divulgação dos benefícios gerados, incentivando os colaboradores a aderir ao programa;
  • selecionar projetos adequados ao perfil dos trabalhadores para que eles se sintam motivados a participar;
  • garantir que a maioria dos trabalhadores poderá se beneficiar de um programa antes de estabelecê-lo;
  • garantir que os gestores estejam engajados com a promoção da qualidade de vida e não sobrecarreguem as equipes;
  • acompanhar e auxiliar os colaboradores nos processos de mudança propostos e
  • realizar pesquisas de satisfação, a fim de saber o quanto os profissionais estão aproveitando o programa e obtendo benefícios por meio deles.

Alguns programas interessantes para atrair e melhorar a saúde dos colaboradores incluem:

  • grupos de dança dos mais variados estilos como zumba, Street dance, pagode e tango entre outros que possam ser de interesse dos colaboradores;
  • campeonatos de futebol, vôlei, basquete, tênis e outros esportes que forem apropriados;
  • prática de Yoga, pilates e meditação guiada, que podem ser conduzidas por profissionais especializados no próprio ambiente de trabalho;
  • academia corporativa para incentivar e acompanhar de perto as atividades físicas dos colaboradores e
  • quick massage: massagens de curta duração que podem colaborar para o aumento da produtividade, pois deixam os colaboradores mais relaxados e livres de tensões emocionais.

7. Qual a importância da concessão de benefícios aos trabalhadores?

Neste tópico, detalharemos os benefícios e vantagens da concessão de benefícios sociais aos colaboradores. Acompanhe!

Aumento da produtividade

Colaboradores engajados trabalham melhor e são mais produtivos. Os benefícios sociais são fundamentais para manter a equipe motivada e engajada com os objetivos da empresa, já que fazem com que se sintam mais seguros e valorizados.

Vantagens fiscais

Muitas empresas optam por aumentar os salários em vez de oferecer benefícios sociais a seus funcionários, no entanto, eles representam uma economia significativa para os colaboradores e auxilia a empresa a conseguir redução da sua carga tributária.

Melhoria da imagem da empresa

Os benefícios sociais melhoram muito a imagem da empresa e a tornam ponto de interesse de muitos profissionais. Isso a ajuda a conquistar os melhores talentos e se consolidar como uma boa marca empregadora, melhorando sua competitividade.

Favorecimento da conciliação entre trabalho e vida social

A maioria dos benefícios sociais tem como objetivo melhorar a qualidade de vida dos colaboradores e, consequentemente, muitos deles têm um impacto positivo no equilíbrio entre vida profissional e pessoal. Apostar em benefícios que favoreçam essa conciliação é favorável para a empresa, pois isso reduz o absenteísmo e aumenta substancialmente a produtividade.

8. Como fazer a gestão de benefícios de maneira eficiente?

A política de benefícios deve ser estabelecida de acordo com as necessidades de ambas as partes: o empregador que deseja motivar suas equipes para que produzam mais e melhor e o funcionário, que espera contar com benefícios que atendam às suas demandas pessoais e de sua família.

Encontrar esse equilíbrio é fundamental para proporcionar um ambiente de trabalho com qualidade de vida. Veja, a seguir, algumas dicas para não errar na gestão de benefícios na sua empresa.

Conheça o seu público

Para definir com eficiência que benefícios serão ofertados aos colaboradores, é imprescindível determinar o que realmente importa e será relevante para eles. Essa é uma etapa vital para estabelecer um pacote de benefícios diferenciados e motivadores.

Fique atento à legislação

Antes de começar a elaborar um plano de benefícios, você precisa entender as disposições da legislação trabalhista e se adequar a elas. Às vezes, existem vantagens, para algumas categorias que são definidas ou negociadas por convenções coletivas e que devem ser respeitadas.

Estabeleça políticas de benefícios transparentes

A organização deve ser clara sobre quais são os benefícios serão oferecidos: vale-transporte, plano de saúde, vales refeição e alimentação, previdência privada, auxílio escolar, convênios diversos, etc. Quando um profissional escolhe uma empresa, deve poder se informar completamente sobre todos os benefícios oferecidos por seus novo emprego.

Mantenha o foco na qualidade de vida

As pessoas passam a maior parte de seu dia no trabalho. Portanto, para que tenham vivam com qualidade, é muito importante que o ambiente de laboral proporcione isso a elas. Por isso, é importante planejar estrategicamente os benefícios oferecidos.

Existem opções que podem agregar valor ao funcionário e ajudar sua empresa a promover a qualidade de vida internamente: horários flexíveis ou reduzidos em algumas situações, creche e/ou restaurante na empresa, serviços de massagem, etc.

Ofereça benefícios flexíveis

Os colaboradores podem contar com um pacote de benefícios personalizados e que melhor atenda aos seus anseios quando são oferecidos a eles de forma flexível. A empresa pode estipular um valor de investimento para o funcionário e deixá-lo escolher quais benefícios deseja adicionar ao seu pacote.

Essa forma de gestão de benefícios abraça o conceito de que o colaborador é parte ativa nas decisões da organização. Além disso, benefícios flexíveis também são uma forma de atrair os melhores talentos do mercado.

Avalie a eficiência dos benefícios

O RH deve estabelecer metas claras com relação ao retorno esperado sobre o investimento em benefícios. Portanto, é essencial definir indicadores que ajudem a avaliar a satisfação dos colaboradores em relação aos benefícios oferecidos e o quanto eles ajudam a melhorar a produtividade da empresa.

As pesquisas de satisfação interna são importantes para ajudar nesse levantamento e também para avaliar se os colaboradores estão realmente sentindo uma melhoria de sua qualidade de vida no trabalho.

9. Como a N/Care Solutions pode ajudar?

A gestão de benefícios de uma organização é um processo complexo que envolve muitas pesquisas internas e externas, já que é preciso escolher os melhores fornecedores de serviços e que representem o melhor custo benefício para a organização. Tudo isso pode causar excesso de trabalho para o RH, que tem muitos outros processos importantes da empresa que requerem atenção.

Uma opção para facilitar esse gerenciamento é contar com o auxílio de uma empresa especializada em gestão de benefícios corporativos. Hoje, o mercado oferece alternativas altamente adaptáveis ​​às necessidades de todos os segmentos e empresas, mas é necessário ter uma equipe especializada e com um olhar clínico para encontrar as melhores alternativas para sua organização por meio de metodologias modernas como o people analytics.

A N/Care Solutions é uma empresa que realiza consultorias em benefícios empresariais há 30 anos. Nosso propósito é auxiliar os profissionais de recursos humanos a escolherem os melhores fornecedores de benefícios para a organização e seus colaboradores.

Além de oferecermos consultoria especializada no levantamento das necessidades da empresa para um planejamento eficaz, realizamos a administração dos benefícios, utilizando um moderno sistema de Business Intelligence. Estamos preparados para ajudar sua empresa a lidar com os desafios relacionados a concessão de benefícios organizacionais.

10. Conclusão

Acidentes e doenças ocupacionais são uma das maiores causas de absenteísmo entre os profissionais. Estresse, fadiga crônica, doenças intestinais ou musculares, ​​fazem com que muitos colaboradores faltem ao trabalho, tirem licença médica ou tenha queda de desempenho.

Segundo estudos da Organização Mundial da Saúde, investir na atenção primária à saúde é menos dispendioso para uma empresa do que arcar com os custos do tratamento e recuperação do trabalhador. O problema é que poucas empresas entendem essa relação e acabam tendo altos gastos, por exemplo, com a sinistralidade dos planos de saúde e substituição de colaboradores em licença médica.

Considerando que um dos ativos mais importantes de uma organização é seu capital humano, não devemos esperar por situações críticas e tomar medidas que garantam o bem-estar dos nossos talentos, a fim de proteger não apenas sua integridade física e psicológica, mas também a lucratividade e competitividade da organização.

Esperamos que esse guia ajude sua empresa a desenvolver os melhores planos de atenção primária à saúde e a oferecer os benefícios mais eficazes para seus colaboradores. Que tal ajudar seus colegas de profissão a ficarem bem informados também? Compartilhe nas suas redes sociais!

Powered by Rock Convert

Inscreve-se para receber nossas novidades!

Receba conteúdos exclusivos gratuitamente no seu e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.